Ir para conteúdo

Otimização de SSD – Parte 2


Mensagem Recomendada

  • Administrador
 O artigo abaixo foi atualizado em 2019 com informações adicionais a atualizadas deste vídeo publicado em 2017:

Este artigo é a segunda parte do artigo sobre Otimização de SSD A FUNDO aonde eu abordo em detalhes as principais dicas inúteis que jornalistas e youtubers sugerem sobre otimização de SSD, detalhando também o motivo delas serem erradas..

Na primeira parte desse artigo eu explico três tópicos fundamentais que você PRECISA saber sobre SSD para você entender mais a fundo sobre otimização do WINDOWS no uso do SSD: desfragmentação, vida útil e backup. Esses estes tópicos constroem a base do conhecimento necessário para você saber o que é mito e o que é verdade na otimização de um SSD.

É importante que você leia a primeira parte deste artigo para evitar que você tenha dúvidas ao ler a segunda e terceira parte dele

Na terceira e última parte deste artigo eu listo dez dicas que REALMENTE funcionam para você alcançar a performance máxima do seu SSD.

Dicas ultrapassadas sobre otimização de SSD

ninguem-merece.gifInfelizmente muitos jornalistas e youtubers publicam artigos e vídeos sobre otimização de SSD sem ter conhecimentos técnicos para isso.

O resultado disso não poderia ser pior: a imensa maioria das dicas deles não servem para absolutamente nada em relação a ganho de performance, sendo que algumas podem causar perda de dados.

Essas dicas podem até servir para economizar espaço em disco, mas elas não deixarão o seu Windows mais rápido e não vão fazer o seu SSD trabalhar mais rápido, pois não existe absolutamente nada nelas que faça o SSD ou o sistema operacional trabalhar mais rápido.

Desde o aparecimento dos primeiros SSD no mercado consumidor, há quase uma década, apareceram na internet guias e dicas de otimização de SSD.

Nessa época os SSD da primeira geração tinham em média apenas 32 GB de capacidade e o foco na otimização de SSD era um só: economizar espaço em disco - algo que fazia todo sentido.

Mas isso mudou muito: nos últimos anos os SSD evoluíram muito e a capacidade deles aumentou extraordinariamente - tanto que atualmente (fevereiro de 2019) existem modelos de SSD para o consumidor comum com 4 TB de capacidade.

Além disso, alguns fabricantes de SSD nem produzem mais modelos de 128 GB, disponibilizando modelos a partir de 256 GB. img_5c64ceec44e08.png

A tecnologia envolvida no SSD evoluiu muito, aumentando a velocidade de leitura e gravação de dados, e também a confiabilidade desses drives.

No primeiro artigo eu citei como exemplo o Samsung 860 PRO que tem um TBW de 4.800 TB. Isso indica que se ele salvar 40 GB de dados por dia (algo absurdamente alto para um usuário comum), ele vai durar 120 mil dias ou 328 anos baseado nesse TWB.

Embora os dias de economia de espaço em disco em SSDs de 32 GB estejam no passado, as mesmas dicas de "otimização de SSD" daquela época continuam sendo postadas como se fossem necessárias hoje em dia por jornalistas e youtubers que não conhecem a fundo sobre SSD.

Em Maio de 2009, o Steven Sinofsky (que foi o principal responsável pelo Windows 7 e Windows ? publicou um interessante artigo sobre as otimizações do Windows 7 no uso do SSD. Ali ele lista diversas alterações de configurações que o Windows faz automaticamente quando ele detecta que está rodando sob SSD.

Nesse mesmo artigo, Sinofsky também abordou informações relevantes no uso do SSD com compressão de dados, BitLocker, arquivo de paginação, etc.

Como os SSDs eram novidade, e na praticamente ninguém entendia a fundo sobre eles, a publicação do artigo do Sinofsky deu início a muitos “guias de otimização de SSD” que incluíam, entre outras coisas, informações modificadas e até distorcidas desse artigo.

Lamentavelmente essas dicas continuam sendo repetidas até a exaustão mesmo sendo totalmente inúteis por não "otimizar" absolutamente nada no Windows ou no SSD.

Aí vão as 10 dicas folclóricas sobre otimização de SSD listadas por jornalistas e youtubers, e o porquê elas serem inúteis:

Reinstalar o Windows, desativar pagefile, Serviços, Indexação...

1. Reinstalar o Windows se você migrar o Windows do disco rígido para o SSD

Isso é completamente desnecessário, pois assim que o Windows detecta que ele está funcionando sob SSD, ele AUTOMATICAMENTE realiza as pequenas alterações necessárias no sistema operacional sem que o usuário precise alterar qualquer configuração.

Mesmo o eventual desalinhamento de partição que pode acontecer durante a migração de HD para SSD (assunto importante abordado em detalhes na terceira parte desse artigo) pode ser facilmente resolvido sem a reinstalação do Windows.

O argumento que a reinstalação do Windows é necessária para que “os drivers sejam atualizados” não faz sentido algum, pois o Windows faz isso AUTOMATICAMENTE independentemente se você migrou o sistema operacional do disco rígido para o SSD, se trocou você uma placa de vídeo ou instalou um periférico qualquer.

2. Desativar o arquivo de paginação do Windows

Internautas cometem essa aberração há muitos anos porque eles não fazem a menor ideia de como funciona a paginação no Windows (algo abordado em detalhes nos meus cursos de Manutenção de Windows).

O arquivo de paginação jamais deve ser desativado, pois algumas funções internas no Windows precisam desse arquivo (como criptografia e criação de logs e dumps) independentemente da quantidade de memória RAM instalado no computador. Além disso, alguns aplicativos e jogos podem apresentar problemas sem o arquivo de paginação.

A ausência do arquivo de paginação ou o uso de um arquivo de tamanho fixo inferior ao necessário causa erros no Windows:

img_5c64d291b3ba8.jpg

No máximo você pode diminuir o tamanho do arquivo de paginação, mas jamais desativá-lo.

Nos últimos anos a telemetria do Windows tem mostrado que, em média, o arquivo de paginação do Windows (pagefile.sys) tem uma taxa 40x maior de leitura do que de escrita, isto é, ele é muito lido do que escrito, destruindo o argumento dos que defendem que o arquivo de paginação do Windows é muito utilizado e a remoção dele é necessária para evitar diminuir a vida útil do SSD.

3. Desativar a Proteção de Sistema

Esse item merece um adendo: o próprio Windows automaticamente desativa a Proteção do Sistema na primeira vez que ele detecta que está rodando sob SSD. Isso acontece somente para economizar espaço em disco, pois infelizmente a Microsoft continua sendo muito conservadora em relação ao SSD – tanto que ela faz isso desde o Windows 7 que foi lançado há uma década (2009).

Dito isso, a Proteção do Sistema existe para permitir que você restaure o Windows a partir de um Ponto de Restauração aonde ele estava funcionando perfeitamente, mas que ele começou a apresentar problemas depois disso, seja por algum problema de driver, algum malware, ou o que for. Embora a Restauração de Sistema crie arquivos grandes, eles podem ser apagados usando a Limpeza do Windows.

A Proteção de Sistema não fica constantemente ativa no Windows e por isso ela não afeta em nada o desempenho do sistema operacional: ela é realizada automaticamente em algumas poucas situações, como a instalação de atualizações via Windows Update e na instalação de alguns aplicativos.

Conclusão: desativar a Proteção de Sistema não vai deixar o Windows ou o SSD mais rápido pois ela não afeta EM NADA a performance do sistema operacional.

4. Desativar a Indexação de Disco

img_5c64e6f582007.png A indexação do disco permite que você defina quais pastas e arquivos devem ser indexados para evitar que o Windows tenha que rastrear o seu SSD ou HD à procura deles sempre que você fizer alguma pesquisa.

Com ela ativada, o Windows mostra instantaneamente resultados das pesquisas, além de (opcionalmente) as informações contidas dentro de arquivos, e-mails, documentos, arquivos multimídia, etc. sempre que você faz uma pesquisa.

As informações da Indexação de disco são salvas no arquivo windows.edb que fica dentro da pasta \ProgramData\Microsoft\Search, e desativá-la para melhorar a performance do Windows ou SSD não faz sentido algum.

Além dessa indexação ser executada com baixa prioridade (para ela não interferir em outras tarefas que possam estar sendo realizadas), ela só é executada quando o computador não está sendo utilizado pelo usuário.

Desativar a Indexação do Disco causa dois problemas:

1. O SSD será mais utilizado, pois ele precisa rastrear todos os arquivos sempre que alguma pesquisa for realizada ao invés de buscar as informações e arquivos diretamente no arquivo windows.edb

2. As pesquisas serão mais lentas., pois o SSD precisa rastrear os arquivos ao invés de mostrar os resultados com a ajuda do arquivo windows.edb.

Conclusão: desativar a indexação do disco não deixará nem o Windows nem o SSD mais rápido, mas a pesquisa de dados ficará mais lenta e o SSD será mais utilizado!

5. Desativar a Pesquisa do Windows

A Pesquisa do Windows é a ferramenta que se beneficia da indexação de disco do item anterior: enquanto a Indexação de Disco cria o arquivo windows.edb contendo informações sobre pastas e arquivos, a Pesquisa do Windows utiliza esse arquivo para mostrar os resultados. A ideia de que ela deixa o computador lento e por isso precisa ser desativada quando há um SSD é duplamente errada.

Em primeiro lugar pelo fato do Serviço de Pesquisa do Windows ocupar 0% de CPU e quase nada de memória RAM, sendo ativado somente quando alguma pesquisa é realizada, e em segundo lugar toda tarefa relacionada à pesquisa é realizada com baixa prioridade de processamento justamente para não interferir em tarefas mais importantes que o computador pode estar realizado.

Se você fizer um teste de performance em um computador com a Pesquisa do Windows ativada, e depois desativá-la e refazer o teste, você notará que não haverá nenhuma diferença na performance do sistema operacional ou SSD.

E detalhe importante: quando a Pesquisa do Windows está ocupando 100% do disco rígido, isso é algo incomum e normalmente indica que o arquivo windows.edb citado no item anterior está corrompido - e a recriação dele normalmente resolve esse problema. Confira isso neste artigo.

Desabilitar cache, Superfetch, hibernação, mudar plano de energia...

6. Desabilitar a gravação em cache do disco

img_5c64e7f0cf6e2.png Embora isso tecnicamente poderia até economizar alguns milissegundos quando um arquivo é salvo, você não deve desabilitar a gravação em cache do disco por dois motivos:

1. Se você fizer isso e acabar a energia sem que você tenha um no-break, esse arquivo certamente ficará corrompido.

2. SSD antigos se beneficiam da gravação em cache do disco, pois com ela os dados são salvos mais rapidamente.

Desabilitar essa opção, independentemente se for HD ou SSD, pode aumentar as chances de corromper arquivos se houver qualquer instabilidade na energia elétrica – mesmo aquelas que você não percebe pois o PC continua funcionando normalmente.

Isso acontece pois os dispositivos de armazenamento (HD, SSD ou SSHD, que são os HDs híbridos) trabalham com tolerâncias mínimas e são extremamente sensíveis à variação de energia: quando isso acontece, os arquivos sendo salvos naquele exato momento sofrem alterações e ficam corrompidos (isto é, o arquivo é salvo com erros que impedem que ele seja lido corretamente).

E quando os arquivos sendo salvos são arquivos importantes do sistema operacional, o resultado pode ser um Windows mais lento ou o aparecimento da Tela Azul da Morte (BSOD).

7. Desabilitar o Superfetch (ou SysMain) e Prefetch

Quando o Windows detecta que está rodando sob SSD, ele automaticamente desabilita o Superfetch (renomeado para Sysmain nas versões recentes do Windows 10), Prefetch e ReadyBoost, que são três funcionalidades focadas na otimização do carregamento de programas, mas se o Windows detectar que o SSD é antigo, ele mantém ativada essas três opções pois desse modo o carregamento de programas é agilizado.

O Serviço SuperFetch ou SysMain continuará ativado mesmo se vc usar SSD, embora ele será utilizado se o Windows achar que há necessidade disso. Além disso, o Prefetch também agiliza a inicialização do Windows.

Por isso não faz sentido VOCÊ decidir desabilitá-los: o correto é deixar que o próprio Windows decida isso por você.

Você sabe com o Windows detecta se o dispositivo de armazenamento é um SSD? Ele obtêm do próprio dispositivo a velocidade de rotação do disco - e se esse valor for zero isso indica que ele é um SSD ?

8. Alterar o plano de energia para Alto Desempenho

A opção padrão do Windows (plano Equilibrado) faz com que periféricos que não estejam em uso entrem em modo de suspensão.

A alteração do plano de energia para Alto Desempenho não muda absolutamente nada o desempenho do Windows ou do SSD, mas em compensação essa dica faz a bateria do notebook durar menos!

Isso acontece pois enquanto o plano Equilibrado faz com que os cores do processador estejam ativos somente quando necessário, o plano Alto Desempenho ativa todos os cores mesmo quando não há necessidade disso. O resultado é que o aumento do consumo da bateria sem que isso resulte no sistema operacional ou SSD mais rápido.

O mesmo acontece com o plano Desempenho Máximo, disponível no Windows 10.

9. Desabilitar a Hibernação

Desabilitar a hibernação é um dos erros mais comuns dos "guias de otimização de SSD". Embora isso possa economizar espaço em disco para quem não utiliza essa funcionalidade, essa dica não torna o Windows ou o SSD mais rápidos.

Para piorar, aqueles que indicam desabilitar a hibernação não sabem que ao fazer isso, a Inicialização Rápida do Windows também é desabilitada, fazendo com que a inicialização do Windows seja mais lenta.

Isso acontece pois a Inicialização Rápida do Windows utiliza 20% do arquivo de hibernação (hiberfil.sys) para armazenar a imagem do kernel e os drivers em uso justamente para agilizando seu carregamento sem que esses arquivos precisem ser acessados durante a inicialização - e se o arquivo de hibernação não existe, a inicialização rápida não funciona.

Por esse motivo você NÃO DEVE desabilitar a hibernação.

Os autores dessa dica provavelmente não sabem que é perfeitamente possível desabilitar a hibernação, mas manter a inicialização rápida do Windows 10. Para fazer isso, basta abrir um Prompt de Comando (Admin), executar o comando powercfg /h /type reduced  e teclar ENTER.

10. Apagar os arquivos da pasta Windows/SoftwareDistribution/Download

Essa é uma dica no mínimo esquisita, pois essa pasta armazena arquivos relacionados ao Windows Update, e apagá-la não deixará o Windows ou SSD mais rápido.

Ao apagar os arquivos dessa pasta (parando o Serviço do Windows Update para isso ser possível), você simplesmente ganhará temporariamente mais espaço em disco - mas assim que o Windows Update começar a atualizar o Windows, essa pasta voltará a ficar cheia de arquivos.

A eliminação dessa pasta serve para resolver alguns problemas relacionados ao Windows Update, mas não existe simplesmente nenhuma relação entre essa pasta e o desempenho do Windows ou do SSD!

CONCLUSÃO

Como você pode observar, as dicas desses guias de "otimização de SSD" não otimizam absolutamente nada e jamais deixarão o Windows ou o SSD mais rápidos.

image.pngDetalhe: eu não incluí na lista acima dicas medonhas como desabilitar a Lixeira, desabilitar dumps de memória, impedir que navegadores criem arquivos de cache e outras "pérolas de sabedoria" existentes em vários sites de tecnologia que existem por aí.

Sempre que você se deparar com algum artigo ou vídeo com essas “dicas”, sugira este artigo como referência para evitar que essas dicas inúteis de otimização de SSD continuem sendo postadas para sempre na internet.

Entenda que o Windows não é um sistema operacional estático e inerte: ele não precisa que o usuário dê uma de “babá” monitorando ele a todo instante, aplicando otimizações mirabolantes ou fazendo alterações no Registro para deixa-lo magicamente mais rápido - ou pior: instalando aplicativos inúteis que prometem isso tudo. Windows é um sistema operacional dinâmico e adaptável (principalmente o Windows 10), e que precisa de pouquíssima manutenção para funcionar corretamente.

Tome MUITO CUIDADO com "dicas" existentes em sites e vídeos de youtubers que nunca estudaram a fundo o Windows, pois elas não fazem sentido algum pois certamente foram copiadas de sites e fóruns americanos cujos autores também não conhecem Windows a fundo.

Sejamos inteligentes: se houvesse alguma dica que tornasse o Windows ou o SSD muito mais "otimizados", tenha certeza absoluta que a Microsoft já teria implementado todas elas no próprio Windows, né? ? 

Leia a terceira e última parte desse artigo com 10 dicas que REALMENTE fazem seu SSD trabalhar mais rápido

[]s
 
Aurélio “Baboo”

forum-baboo-assinatura.png

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 1 ano depois...

Ei Baboo, estou com um ''pequeno'' problema: Nesse artigo, você falou que para desabilitar a hibernação (seja para liberar espaço em disco, ou se o usuário não utiliza essa funcionalidade), mas manter a Inicialização Rápida do Windows, você precisa abrir uma janela de Prompt de Comando (Admin) e digitar o comando powercfg /h /type reduced e teclar ENTER.

Mas quando eu faço esse passo no meu Windows 8.1, ele dá um erro dizendo que o parâmetro está incorreto:

Screenshot_2.png.c78c12670c537ce979890889bf062f86.png

O que devo fazer nesse caso?

Meus certificados

Screenshot_1.png.7ac77e9f82a7a69e95b31c258884eb1e.png

Desktop - CPU: Intel Pentium Dual-Core E5800 3.20GHz | RAM: 2GB de RAM DDR2 Dual-Channel 533MHz (2x1GB) | Motherboard: Intel Desktop Board D945GCCR | Monitor: Samsung T24B350 Full HD (1920x1080) | GPU: NVIDIA Geforce 210 (1GB VRAM) | HD: Western Digital 465GB SATA 1 100MB/s - Windows 8.1 Pro

 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

2 horas atrás, João Vitor M. R. disse:

Ei Baboo, estou com um ''pequeno'' problema: Nesse artigo, você falou que para desabilitar a hibernação (seja para liberar espaço em disco, ou se o usuário não utiliza essa funcionalidade), mas manter a Inicialização Rápida do Windows, você precisa abrir uma janela de Prompt de Comando (Admin) e digitar o comando powercfg /h /type reduced e teclar ENTER.

Mas quando eu faço esse passo no meu Windows 8.1, ele dá um erro dizendo que o parâmetro está incorreto:

Screenshot_2.png.c78c12670c537ce979890889bf062f86.png

O que devo fazer nesse caso?

Esse comando parece não funcionar na sua versão do Windows.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

1 hora atrás, bbainfo disse:

Esse comando parece não funcionar na sua versão do Windows.

Eu fiz o mesmo teste no Windows 10 e o mesmo erro acontece

Meus certificados

Screenshot_1.png.7ac77e9f82a7a69e95b31c258884eb1e.png

Desktop - CPU: Intel Pentium Dual-Core E5800 3.20GHz | RAM: 2GB de RAM DDR2 Dual-Channel 533MHz (2x1GB) | Motherboard: Intel Desktop Board D945GCCR | Monitor: Samsung T24B350 Full HD (1920x1080) | GPU: NVIDIA Geforce 210 (1GB VRAM) | HD: Western Digital 465GB SATA 1 100MB/s - Windows 8.1 Pro

 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

19 minutos atrás, João Vitor M. R. disse:

Eu fiz o mesmo teste no Windows 10 e o mesmo erro acontece

Aqui no meu Windows 10 funcionou perfeitamente.

Instalei o Windows 8.1 em um VM e logo ao testar o comando:

image.png.451b27c2ba663684a866f2a0dbf25555.png

Não funciona no Windows 8.1...

A solução para o seu caso é configurar um tamanho em porcentagem até o máximo de 50%, conforme exemplo abaixo:

image.png.aec4f76efd7a9d85976cd8a123b77434.png

No primeiro comando configurei o arquivo de hibernação para 60%: powercfg /h /size 60

No segundo comando configurei o arquivo de hibernação para 50%: powercfg /h /size 50

No terceiro comando configurei o arquivo de hibernação para 70%: powercfg /h /size 50

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Quer postar a sua dúvida? Cadastre-se pois é rápido e fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...