R7
BABOO

CONTATO
ANUNCIE
SUGESTÕES
RSS
COPYRIGHT

Home Tutoriais Multimídia

Sound Forge 6.0 é considerado pela maioria das pessoas como a melhor ferramenta de edição de áudio disponível no mercado. Este tutorial foi criado para quem está iniciando no Sound Forge.

Iniciando no Sound Forge

Iniciando no Sound Forge

Podendo dar acabamento profissional aos  trabalhos, ele oferece diversas ferramentas poderosas para que o resultado final seja o mais próximo do desejado pois com ele é possível cortar trechos de músicas,acrescentar vários tipos de efeitos a qualquer arquivo de áudio,reduzir o tempo, transformar mono para stéreo e stéreo para mono, gravar sons, entre tantas outras possibilidades que ele oferece.

A partir de agora, será apresentado o que pode ser feito com ele. Começando pela instalação, passando pela descrição de menus, as suas funções mais usuais até algumas das operações de edição e masterização suportadas pelo programa ! Divirta-se :) …
Instalação:
Ao clicar no instalador do programa, abrirá esta janela:

Iniciando no Sound Forge

Aqui é selecionado o local onde os arquivos de instalação serão descompactados: deve-se escolher a pasta de preferência e clica-se em ‘Next’. Os arquivos serão extraídos e em seguida o assistente de instalação será iniciado. Não há nenhuma complexidade ou necessidade de configuração na instalação do programa …

Conhecendo melhor o Sound Forge:
A aparência inicial do programa está mostrada na imagem abaixo. Logo em seguida, serão acrescentadas algumas toolbars para melhor facilitar a edição das trilhas de áudio e a aplicação de efeitos:

Iniciando no Sound Forge

Para acrescentar as toolbars (barras com ícones), selecione no menu View > Toolbars. Aquelas com funções mais comuns serão colocadas na área de trabalho. Siga o modelo abaixo:

Após acrescentar os menus, estes deverão ser organizados da forma que for mais conveniente arrastando as janelas para baixo ou para o lado da barra Standard  (a única mostrada na foto inicial da interface do Sound Forge 6.0).  Deixe como na imagem abaixo:

Como já foi notado quando selecionado View > Toolbars, existe uma série de abas que permitem as mais diversas configurações: não é necessário fazer alterações na maioria delas e uma outra parte é referente apenas a configurações de gosto pessoal. Contudo, é recomendado marcar a opção destacada abaixo, encontrada na aba File pois ela eliminará os temporários criados pelo Sound Forge toda vez que o programa for fechado.

Usando o Sound Forge:
Agora que o programa já está devidamente configurado, abriremos um arquivo de áudio para conhecermos algumas funções e ver o que pode ser feito com ele.  Para abrir um arquivo, o procedimento é o padrão File > Open. O programa abrirá o arquivo e compilará os gráficos para ele.

Uma música bem equalizada e masterizada nunca deve exceder os limites da área gráfica (imagem abaixo da Situação 1) e nem ter os gráficos muito próximos da linha imaginária central (imagem abaixo da Situação 2). As situações que as imagens mostram abaixo demonstram que o som não está ideal.

No primeiro caso (Situação 1), ele está alto demais, mal-equalizado ou com graves e agudos muito acentuados: isto causa um desconforto para quem houve, ocorrendo distorções e perda de qualidade toda vez que o gráfico transpassa a área útil. Veremos em seguida que isto nada tem haver com as opções de zoom.


Situação 1

Na segunda situação (Situação 2), temos o som baixo demais: quem desejar ouvi-lo terá de aumentar o volume dos autofalantes para que o som fique num nível passível de audição. Com isto, novamente temos perda na qualidade.


Situação 2

Agora que os gráficos foram explicados, serão vistas algumas modificações na exibição dos mesmos que podem ser feitas. O  programa oferece zoom nos dois sentidos, tanto horizontal como vertical e a principal função desse recurso é facilitar o corte de trechos de músicas ou aplicação de efeitos neles, dando maior precisão.

Abaixo um exemplo prático: foi selecionado na imagem um pequeno trecho daquele arquivo onde se deseja aplicar um efeito qualquer. Como o gráfico está muito compacto, a precisão é pequena. Dando zoom pode-se selecionar o trecho exato que será aplicado tal efeito sem selecionar uma área maior ou menor do que a desejada.

O mesmo trecho com o zoom horizontal (é o ícone à direita, logo acima do relógio que conta o tempo da música, na primeira imagem abaixo): a imagem tornou-se muito maior, facilitando a seleção de qualquer trecho da música. O zoom pode ser aumentado bem mais que isso e permite uma precisão excelente em trechos muitos pequenos.

zoom que aumenta a altura, o spectro do som, é especialmente útil para observar os trechos do arquivo que se sobressaem aos demais, podendo dar atenção especial à correção daquela parte. Observe que que mesmo o gráfico da imagem abaixo tendo superado a área útil (devido ao zoom dado), não houve má qualidade do som. A ferramenta que produz tal efeito é encontrada a esquerda e abaixo.

Agora que o trabalho com os gráficos já foi apresentado, serão vistas algumas ferramentas do programa. Algumas características da música podem ser alteradas, como transformar stereo para mono e vice-versa (channels), aumentar a taxa de bits (bit depth) e a freqüência da música (Sample rate). Para isso, dê dois cliques em qualquer parte do pedaço destacado na figura menor e uma janela maior se abrirá, aonde todas as alterações citadas acima poderão ser realizadas.

Editando as trilhas:

Agora que já foram mostrados como funcionam os gráficos das músicas, será explicado como editar as trilhas:

Copiar: Para copiar o procedimento é o padrão: marca-se o trecho que deseja copiar e depois basta pressionar ctrl + c.

Cortar: Idem. Porém após selecionar o trecho você deve pressionar ctrl + x.

Colar: Posicione o cursor na posição da linha do tempo que deseja colar o trecho copiado e depois pressione ctrl + v.

Deletar: Selecione o trecho e pressione delete no teclado.

Substituição de sons ou Overwrite: Copie o trecho que deseja inserir por cima do outro. Selecione o arquivo onde este som será inserido e selecione o trecho que será substituído,colando o som (trecho copiado) que agora deve ocupar o lugar do antigo som que existia ali.

Crossfade: é o efeito que você ouve quando uma múisica está terminando enquanto outra começa a tocar. Ela diminui o volume daquela que está terminando e vai aumentando gradativamente o volume da nova música. Esse efeito, que faz com que a transição de músicas não seja feita em um “soco”, é o crossfade.

Para fazê-lo:

1. Abra os dois arquivos de áudio – A e B.

2. Copie todo o conteúdo do arquivo que irá por último no crossfade. Neste caso, B.

3. No arquivo A, coloque o cursor aonde o crossfade será iniciado.

4. Clique em Edit > Paste Special > Crossfade:

Em Preset, selecione Normal Crossfade e clique em OK: agora é só escutar e ver o resultado final :) ….

Mixando Sons: embora o Sound Forge não seja a ferramenta mais indicada para esse trabalho (por não trabalhar com várias trilhas simultaneamente), ele permite mixar duas trilhas de áudio em uma só.

Isto permite que seja colocado um fundo musical na sua voz, por exemplo. Para mixar as trilhas, siga  os passos 1, 2 e 3 do crossfade. Depois disso selecione no menu a opção Edit > Paste Special > MIX. e em Preset selecione Normal mix (no fades).

OBS: Os passos acima são otimizados para o exemplo de colocar fundo musical na sua voz, sendo que existem outros tipos de MIX mais indicados para outras situações.

Existem outros tipos de mixagem disponíveis no Sound Forge, mas não serão citadas aqui: são tantas opções que a simples explicação detalhada de cada uma delas ocuparia várias páginas.

Barras:

Transport: é a parte mais básica e responsável pelo controle da música. A barra do Sound Forge é padrão em qualquer aparelho de som e colocando o mouse em cima de cada botão, o mesmo fica colorido e a sua função é revelada por uma pequena caixa de texto.

Nota: para gravar um som do microfone ou da entrada line-in da placa de som, basta clicar no primeiro botão (“bolinha”) da caixa mostrada acima, que a caixa de gravação se abrirá ;) …

Após a caixa de gravação estar aberta, selecionar a opção Monitor para que se tenha controle do volume de entrada do som. Faça com que as barras (aquelas que na imagem acima têm base verde) cheguem até a cor vermelha: o som será gravado muito alto e com qualidade ruim e distorcida. Para iniciar a gravação, basta pressionar o botão destacado na imagem acima.


Process: a segunda barra que merece atenção especial pois várias ferramentas importantes estão ali contidas. As mais usuais serão analisadas a partir de agora e aquelas que são comumente pouco utilizadas terão apenas seu nome descrito.

1. Auto Trim/Crop: remove intervalos de silêncio dos arquivos de áudio. Útil para aqueles arquivos que possuem um grande espaço em branco (silêncio) no início e no fim.

2. Bit-Depth Converter

3. Channel Converter: aqui se tem um controle individual das características de cada canal – direita ou esquerda. Ver no exemplo o que pode ser feito.

4. DC Offset: centraliza em torno da “linha zero” a trilha de áudio caso ela não esteja devidamente balanceada.

5, 6 e 7. EQ: são três modelos de equalizadores presentes no Sound Forge. Cada um deles ainda tem subcategorias. O mais utilizado, por ser mais simples, é o 5. Clicar no ícone correspondente, e mudar a aba inferior para 10 band. Ele é o mais prático e rápido de se mexer. Precisando de uma precisão maior, alterar para 20 band.

 

8. Graphic Fade: permite criar um fade personalizado, isto é, escolher como se comportará o volume da trilha.

9 e 10. Fade in e Fade Out: o volume do arquivo de áudio vai aumentando (fade in) ou diminuindo (fade ou) gradativamente no início ou no final das trilhas de áudio.

11. Insert Silence: o nome já diz tudo. Insere um trecho de silêncio onde se encontra o cursor do mouse. O tamanho desse trecho pode ser configurado.

12. Invert/Flip: inverte a trilha de áudio em relação à linha de base.

13 e 14: Mute e Normalize: o Mute deixa sem som a parte selecionada e o Normalize deixa todo o gráfico mais ou menos no mesmo nível.

15. Pan/Expand

16. Resample

17. Reverse: inverte a trilha, ou seja, o início vai para o fim e o fim para o início. Dando play, o som será tocado de trás para frente.

18. Smooth/Enhance

19. Time Scretch: diminui ou acelera a velocidade do som no trecho selecionado.

20. Volume: permite aumentar ou diminuir o volume do arquivo. Nunca se deve aumentar o volume demais, pois a qualidade final cai muito.

Effects: a última barra a que daremos atenção especial neste tutorial: ali estão os efeitos utilizados para modificar os arquivos de áudio. Novamente, somente os efeitos mais comuns serão abordados em detalhes:

1. Acoustic Mirror

2. Amplitude Modulation

3. Chorus: adiciona ao arquivo de áudio um efeito semelhante a uma musica tocada dentro de um túnel ou cano, na maioria das subconfigurações. Além disso, ele ainda pode abafar o som e modificar suas características originais.

4 e 5: Multi-tap dalay e Simple Delay: acrescenta um delay no arquivo tocado – portanto o pedaço anterior da música ainda poderá ser ouvido em volume menor enquanto a parte seguinte já é tocada. Esse efeito é algo como acrescentar um atraso na música: o item 4 é mais completo e tem opções mais avançadas e o 5 é extremamente simples de se utilizar.

6. Distortion: mexendo na curva do gráfico ou usando configurações pré-definidas, pode-se distorcer o som. A melhor maneira de se ver o que realmente acontece é modificando o gráfico.

7. Graphic Dinamics 

8. Multi-Band Dinamics: esta opção permite trabalhar individualmente em cada banda do arquivo de áudio, sendo possível aumentar o volume, equalizar o som e aplicar leves efeitos de ganho e abafamento do som.


9. Envelope

10. Flange/Wha-Wha: acrescenta aos arquivos de áudio uma espécie de vibração. Em algumas configurações internas é possível dar ao som um “ar espacial”.

11. Gapper/ Snipper: os efeitos deste botão mudam completamente o som: eles acrescentam pequenos cortes, aumentam ou diminuem a velocidade do som aliado a outra espécie de distorção. Ótima opção quando se deseja modificar a voz.

12. Noise Gate: é um bloqueador de ruídos. Embora ele não seja muito eficiente, ele corta partes do arquivo de áudio que são tidos como ruídos.

13. Pitch Bend: esta opção faz com que o arquivo de áudio siga a trilha do gráfico, sendo que as características do volume também seguem aquela trilha. Este efeito é bastante interessante pois permite que o áudio “vá e volte”, criando uma simulação usada em várias rádios.


14. Pitch Shift: permite alterar a velocidade que o som é reproduzido. Aqui podem-se fazer os famosos efeitos de voz lenta (que acaba por ficar grave e “enrolada”) e a rápida (que fica bem fina), muito usadas em rádio e televisão.

15. Reverb: o nome já diz tudo. É produzida uma reverberação no som, dando características de que ele foi gravado em locais específicos, como grandes salões, teatros, corredores, quartos pequenos ou grandes e uma infinidade de locais pré-definidos ou criados pelo próprio usuário.


16. Vibrato: acrescenta vibrações diferentes das já descritas. Seria algo semelhante a quando um disco de vinil está tocando e você girá-lo para frente e para trás rapidamente. Além disso, permite vários outros modelos semelhantes a uma “mola” inserida dentro do som.

17. Wave Hammer

Com todas as dicas acima você deve agora estar apto a mexer no programa sem ficar perdido – inclusive você descobrirá inúmeras outras funções contidas no Sound Forge que não foram descritas aqui ;) …